quinta-feira, 18 de setembro de 2008

O buraco na camada de ozônio aumenta, enquanto o gelo ártico diminui.


Pois então, será que há alguma relação?
Alguns cientistas já atribuem o degelo ao aquecimento global, o que remete a imaginar que não é algo que se inclua em um planejamento a longo prazo e que estamos chegando ao ponto em que o gelo marinho irá se derreter completamente e o pior, não é daqui á 100 ou 200 anos e sim nas próximas décadas.
"Parece" meio alarmante, mas foi isto mesmo que a agência Reuters publicou ontem (17/09).
O gelo marinho no ártico atingiu em 2008 sua 2° menor extensão já registrada 4,52 milhões de Km², e o recorde deste degelo foi nada mais , nada menos que em 2007.
Assim, o gelo ártico é um fator de regulação do clima global, sendo que o gelo marinho ajuda a manter o frio no pólo norte, pois rebate a radiação para o espaço, quando há o derretimento, a água escura absorve a radiação, aumentando o calor.
Se não fosse "apenas" isto, o famoso buraco na camada de ozônio , favorece ainda mais o degelo, dias mais quentes e ainda mostra que no último dia 13 de setembro, segundo a Efe, em Genebra, este buraco se espalhava por 27 milhões de Km², enquanto nesta mesma data do ano passado não chegava nem aos 25 milhões de Km², o mesmo buraco.
Isto faz com que os cientistas acreditem ainda mais nas relações entre o buraco na camada de ozônio e as mudanças climáticas.
_______________
Daiane Santana
Sugestões: daianeea@gmail.com

2 comentários:

  1. Não era de se duvidar mesmo.
    Desde os meus tempos de escola (e lá se vão 19 anos empregados nele) que escuto falar do buraco na camada de ozônio e de lá pra cá, tudo (clima) tem ficado muito diferente.
    Não há chuva quando se devia ter, não há agua onde era abundante...

    Estamos próximos do fim?
    Creio que se mudarmos nossas atitudes, não só as relacionadas ao meio ambiente, mas principalmente,
    às politicas, tudo poderia melhorar.
    As 'coisas' estão acontecendo e
    já que tudo na natureza não se cria, se transforma, o homem poderia se transformar também.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo Barreto Lima18 de setembro de 2008 15:49

    Creio que infelizmente estamos numa contagem regressiva para o fim. Não adianta alguns ambientalistas lutarem para retroceder este fenômeno.

    As pessoas acham importantes essas discussões, mas esperam de braços cruzados para que a solução caia do céu. Não vamos ser hipócritas, se todos não correrem atrás (o que é poco provável) o planeta vai ser extinto mesmo.

    Essa é a dura realidade que muitos não querem enchergar.



    Um beejão Daiane. Fico feliz pelo trabalho. Ahh!! e desculpa ai falha na visita do blog.

    ^^'

    ResponderExcluir